Calos da Fala
  

 

Sanfona na carne

Navalha na alma

Artesanato maldito

E as curvas são as mesmas...



Escrito por Vitória Maria Barbosa às 00h53
[] [envie esta mensagem] []


 
   Caras e Poucas

 

Se disser que cansei

Se quiser invento outra.

 

Se disser que cansei

Se quiserem inventem outra.

ASS. Qualquer Uma.



Escrito por Vitória Maria Barbosa às 00h46
[] [envie esta mensagem] []


 
  

 

Pseudo.

É isso.

Apenas.

Lá no encontro.

Um entre que nunca está.

Ente ilusório.

Cada vez mais só.

 

Pseudo.



Escrito por Vitória Maria Barbosa às 00h41
[] [envie esta mensagem] []


 
   Com que máscara eu vou?

 

Vou de que hoje?

 

Engraçadinha.

 

Intelectual.

 

Enfadada.

 

Safada.

 

Sensual.

 

Guerreira.

 

Vítima.

 

Mãe.

 

Filha.

 

Mulher.

 

Filha da puta.

 

Desentendida.

 

Séria.

 

Desequilibrada.

 

Madura.

 

Impura.

 

Santa.

 

Demônio.

 

Vou de  que hoje?

 

   ? (vou com tudo)

 

 

Indecisa.

 



Escrito por Vitória Maria Barbosa às 00h35
[] [envie esta mensagem] []


 
   circo de “palhaços sem futuro”

 

 

 

É o dilema. Se começamos algo, pensamos na sua finalidade, continuidade.

Há meses não escrevo aqui e nem em lugar algum.

Sofro eventualmente de a-palavra. Elas me somem. Me somem.

Às vezes vivo e escrevo. Noutras vivo e inscrevo. E enfim, tudo é caos.

Gosto quando estou e sou invadida por energias boas, coloridas, saborosas.

E agora me vejo no azedume, no bolor. Deveria escrever então?

Sim porque isso não tem regras. Nem eu.

Tenho é percorrido meus abismos. Medos de mim. E de tudo que não sei de mim.

Seria necessário?

Arrisco os limites. Pago preços. Alguns tão imensos. Fragmentada. Dispersa. Machucada. Ferida. Quebrada.

Que fiasco. Ninguém suporta. Todo mundo quer show. Não importa o teatro.

Sempre tive problemas em ser humana. Raça tão linda e detestável. Vergonhosa.

Aceitar isso tudo é que é o bom. É a sabedoria. Acho.

Lindo é um baile de máscaras. Queria, porém, um baile de máscaras reais. Cada um com a sua própria, sem a outra.

Que jogo infame.

Que circo de “palhaços sem futuro”.

É a intensidade que me submerge. Estou exausta.

E agora me inspiro. Quero escrever um culto ao azedume da alma. Cheio de ira. Ironia. E rancor.

Não agüento esse calo na fala de tantos. Queria expandir a revolução que mora em mim.

 

Eu.

 

 



Escrito por Vitória Maria Barbosa às 00h22
[] [envie esta mensagem] []


 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO



OUTROS SITES
 Retalhos de Impressões- Vitória Maria
 Eu- Blog de Wal 2007
 O Quereres- Renan Barbosa
 Visu- Mauro Siqueira
 Bog do Osvaldo Barreto
 Leandro- Um poeta todo prosa
 Veneza de Brasileiros- Parceria de overmanos


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!